//

Notícias > Lista de Notícias



Pestana ataca hipocrisia do PT e defende regra que desobriga atuação da Petrobras no pré-sal

05/10/2016

 

Deputados iniciam debate sobre nova regra do pré-sal (Foto: Agência Brasil)


A Câmara dos Deputados debate nesta quarta-feira (05/10) o projeto de lei 4567/16 que permite à Petrobras optar por participar ou não como operadora em blocos de exploração do petróleo do pré-sal no regime de partilha.
 
Da tribuna do Plenário, o deputado federal Marcus Pestana subiu o tom contra a oposição e defendeu a aprovação da nova regra. 
 
“Não adianta mistificar, é uma fraseologia vazia, um anacronismo ideológico profundo, uma manipulação da verdade”, disse Pestana sobre o discurso contraditório do PT.
 
O deputado relembrou a dramática situação da Petrobras, com dívida da ordem de R$ 450 bilhões, a maior do mundo no setor de petróleo.
 
“O PT quebrou a Petrobras com um programa de investimento equivocado, com uma péssima gestão, com endividamento profundo. Está se desfazendo dos ativos que tem para recompor seu equilíbrio financeiro. A Petrobras não tem capacidade para exercitar a obrigação que o regime de partilha impõe a ela. Ela mal dá para andar com as próprias pernas quanto mais responder pela exploração de cada bloco com 30% dos investimentos,” afirmou.
 
Marcus Pestana destacou ainda que o PL 4567/16 não altera demais regras relacionadas ao Pré-Sal, como a destinação dos lucros para a educação e a saúde. 
 
 “O que o projeto do senador Serra quer simplesmente destravar a economia no setor petróleo, permitindo que a Petrobras abra mão de exercitar essa obrigatoriedade. Precisamos criar emprego e renda. E para isso precisamos do acerto macroeconômico, mas precisamos também de diversas reformas microeconômicas”, explicou.
 
Ele finalizou: “É uma hipocrisia e um cinismo quem quebrou a Petrobras e instalou a desconfiança no clima brasileiro vir aqui se colocar em contraposição a uma medida saneadora. O petróleo embaixo da terra não é riqueza. O papel da exploração econômica é gerar impostos, empregos, dividas. A Petrobras não tem condições, o discurso do PT é um tardio anti-imperialismo. O Brasil tem que se abrir”, resume.
 
Veja pronunciamento na íntegra:
 

Imagens TV Câmara

+ Veja mais