//

Notícias > Lista de Notícias



Pestana alerta que financiamento da saúde e reforma política ficam de lado no Congresso

04/06/2014

 

Marcus Pestana critica ausência de votação da reforma política e de mais financiamento para saúde (Reprodução: TV Câmara)


No plenário da Câmara, nesta quarta-feira (06/04), o deputado federal Marcus Pestana chamou atenção dos parlamentares para dois “passivos” que ficarão nessa legislatura: o repasse de mais recursos para financiar o Sistema de Saúde e a reforma política. 
 
Segundo o tucano, com a aproximação da Copa do Mundo, do recesso parlamentar em julho e das eleições, “a capacidade e o espaço decisório estão se esgotando nessa legislatura”.
 
“É preciso clarear para a opinião pública brasileira essa questão do subfinanciamento do SUS. O nosso sistema conta com apenas 400 dólares per capita/ano. Sistemas como o chileno, que não são de acesso universal e nem de cobertura integral, tem quase 600 dólares, na Argentina, são 900 dólares per capita/ano. Os sistemas que têm acesso universal e cobertura integral, como o de Portugal, que conta com 1500 dólares, Espanha e Canadá, têm 2.500 dólares. Fica evidente que o financiamento é insuficiente. Existem falhas da gestão, mas isso não obscurece o centro do problema,” disse. 
 
Pestana critica também as prioridades do Governo Federal, que tem realizado grandes repasses de recursos para subsidiar grandes empresas, através do BNDES, e quitar dívidas públicas. “Mas quando é para a saúde, se relativiza,” apontou.
 
Outro passivo, de acordo com o parlamentar, é a ausência de uma reforma política. “Vamos caminhar para novas eleições com regras antigas, com o mesmo sistema político eleitoral esgotado. Esse sistema não aproxima os cidadãos da política,” afirma Marcus Pestana que acusa o Partido dos Trabalhadores de dificultar a tramitação da PEC da Reforma Política (PEC 352/13) na Comissão de Constituição e Justiça. 
 
“Aí, não vamos chorar o leite derramado depois que o Judiciário, no vácuo da nossa inércia, judicializar a política. Temos que encarar o desafio da reforma política, mas infelizmente não será nessa legislatura. Fracassamos nesse sentido.”
 
Assista ao pronunciamento:
 

 
 
Imagens: TV Câmara
 

+ Veja mais