//

Notícias > Lista de Notícias



O debate agora será entre continuidade e mudança, prevê Marcus Pestana

09/07/2014

 

Para Pestana, campanha eleitoral permite que candidatos apresentem seus projetos (Foto: Alexssandro Loyola/PSDB na Câmara)


Recife (PE) – Em entrevista a uma rádio do Recife nesta quarta-feira (09/07), o presidente do PSDB de Minas Gerais, deputado federal Marcus Pestana, comentou a derrota do Brasil por 7 a 1 contra a Alemanha e ressaltou que, passada a Copa do Mundo, “a discussão eleitoral será entre continuidade e mudança”.
 
Para o parlamentar, as recentes pesquisas de intenção de voto comprovam que há na opinião pública a “intuição de que o Brasil não está no rumo certo, que o país não aguenta mais quatro anos de Dilma”.
 
Pestana acredita que, com a campanha eleitoral propriamente dita, a lei democratizará as oportunidades entre os candidatos à Presidência da República e dará um basta no “monólogo da Dilma”.
 
Leia abaixo, a íntegra da entrevista de Marcus Pestana:
 
Fim da Copa do Mundo
Vamos ter que administrar essa ressaca da derrota do Brasil na Copa do Mundo. Foi algo inimaginável e acho que esse time deve ao povo brasileiro um terceiro lugar. É importante ter concentração e resgatar a dignidade do povo brasileiro. Sou daqueles que sempre achei que não há relação entre a política e o resultado esportivo. Isso parte de uma visão equivocada que infantiliza o povo brasileiro.
 
O debate da eleição
O superfaturamento de algumas obras, o atraso das obras de mobilidade urbana, etc, estarão agora na mesa de discussão do ponto de vista da natureza da qualidade de gestão e da capacidade de governo. Todos os aspectos da vida brasileira serão debatidos: inflação, baixo crescimento, a desindustrialização. Mas a derrota da seleção não terá dimensão eleitoral. Muito antes do resultado da Copa eu já dizia que nem a Dilma se beneficiaria de uma vitória do Brasil, nem a oposição de uma derrota. A população sabe separar e vai discutir os temas que afetam seu dia a dia.
 
Mudança x Continuidade
As pesquisas já vêm demonstrando que a maioria da população quer mudança profunda. Há uma intuição na opinião pública de que o Brasil não está no rumo certo e isso unifica Aécio Neves e Eduardo Campos, a sensação de que o Brasil não suporta mais quatro anos de Dilma. Essa será a discussão entre continuidade e mudança, é nisso que apostamos.
 
De igual para igual
As eleições presidenciais são decididas nos meios de comunicação de massa, particularmente a TV. Com a entrada da campanha propriamente dita e o fim da pré-campanha, onde atingimos todos nossos objetivos que eram os de unificar o PSDB, fazer uma aliança sólida que nos garantisse capilaridade, plantar dissidências na base da Dilma e colocar o Aécio em segundo lugar com cheiro de alternativa de poder, tudo isso foi atendido plenamente. Agora, com tempo igual na mídia, evita-se o monólogo da Dilma.
 
Acabamos de obter uma decisão judicial no sentido de suspender a propaganda oficial que só falta pedir votos. Num recente evento do programa Minha Casa, Minha Vida foram mobilizados doze ministros e a máquina do governo para fazer um evento que quase tinha palanque eleitoral. Agora, com a entrada da campanha a lei democratiza as oportunidades. O que minimiza essas circunstâncias que levam ao domínio de quem está no poder.
 
 
Fonte: Assessoria de Comunicação do PSDB de Pernambuco

+ Veja mais