//

Notícias > Lista de Notícias



Marcus Pestana e Mara Gabrilli alertam para gravidade do surto de microcefalia

16/12/2015

 

Tucanos demonstraram grande preocupação com epidemia de microcefalia no Brasil (Imagem: TV Câmara)


Durante comissão geral realizada nesta quarta-feira (16/12) na Câmara dos Deputados, o deputado federal Marcus Pestana chamou atenção para a gravidade da epidemia de microcefalia no país, relacionada ao Zika vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue e febres chikungunya e amarela).
 
Para ele, a população não está consciente e devidamente mobilizada sobre o grave surto que poderá, segundo especialistas, causar mais de 100 mil casos de microcefalia em 2016, considerando a progressão atual da doença. 
“Não bastando a crise econômica e política, o Brasil se vê diante de um enorme desafio. A perspectiva é aterradora. E as pessoas não estão se dando conta ainda disso,” disse Pestana.
 
O deputado tucano pontuou duas ações imediatas. “Primeiro, é preciso transmitir a todos os agentes públicos, gestores e profissionais da área da saúde, prefeitos e vereadores, para a comunidade em geral, igrejas, associações de bairro, a gravidade do assunto”.
 
Em seguida, ao lembrar o permanente enfrentamento ao mosquito transmissor do Zika vírus, principalmente quando foi Secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, entre 2003 e 2010, criticou a falta de iniciativas inovadoras para combater as doenças. 
 
“Em pleno século 21, época da robótica, da internet, não é nada nobre uma tarefa de perseguir mosquito. E a percepção do esgotamento das estratégias abordadas era clara. Não adianta mais do mesmo. É preciso ousadia, criatividade. É preciso inovar. E a dengue faz 30 anos de existência e está aí para comprovar isso”. 
 
Junto com a deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP), demonstraram preocupação com a assistência aos bebês com microcefalia. A tucana Mara Gabrilli questionou políticas públicas de reabilitação e fornecimento de órteses e próteses no Brasil: “No caso da microcefalia, não é apenas um dano físico, temos um dano cerebral irreversível. As crianças vão precisar de toda uma gama de cuidados.”
 
>> Assista ao pronunciamento na íntegra:
 

 
Imagens TV Câmara

+ Veja mais