//

Notícias > Lista de Notícias



Deputado questiona investimentos da Funcef na área de infraestrutura

29/10/2015

 

Marcus Pestana questionou investimentos da Funcef, na CPI dos Fundos de Pensão (Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados)


O ex-presidente da Fundação dos Economiários Federais (Funcef), Guilherme Lacerda, defendeu investimentos de fundos de pensão em projetos de infraestrutura. Ao depor na CPI dos Fundos de Pensão, nesta quinta (29/10), Lacerda disse que esses investimentos trazem fluxo de capital ao fundo.
 
"Se um fundo não investir em linhas de energia, por exemplo, vai investir em quê? Em título público? É melhor pegar o recurso do aposentado para investir no tesouro direto", afirmou, em resposta ao deputado Marcus Pestana.
 
Sete Brasil
O parlamentar questionou Lacerda sobre diversos investimentos da Funcef na área de infraestrutura rodoviária e de energia. Pestana questionou ainda, entre outros pontos, sobre o aporte de recursos na Sete Brasil, empresa de investimento criada com o aval da Petrobras para explorar negócios em torno do pré-sal e que foi alvo de investigação da operação Lava Jato, da Polícia Federal.
 
"A Sete Brasil foi o maior foco de perda de três fundos. São mais de R$ 3 bilhões somando a Petros (Petrobras), a Previ (Banco do Brasil) e a Funcef. Quais as determinantes de uma entrada tão pesada da Funcef na questão do pré-sal?", perguntou Pestana.
 
Segundo Guilherme Lacerda, as negociações em torno da Sete Brasil começaram no fim da sua gestão, mas ele as avaliou como corretas.
 
"Vários bancos estavam dando cotovelada para entrar nesse negócio. Eu pensei que os fundos alemães investem em navios. Então, se a Petrobras fez uma tomada de 120 bilhões de dólares, se tinha possibilidade de fazer exploração, se precisava da sonda, isso é coisa muito boa para fundo de pensão", defendeu o ex-presidente da Funcef.
 
"Agora, se surgem absurdas coisas éticas, isso nós somos vítimas. Eu, se fosse o presidente do fundo, ia entrar na Justiça."
 
Ainda em resposta a Pestana, Lacerda explicou o processo decisório de um fundo de pensão, que não pode fechar as portas a ninguém por filiação partidária.
 
Fonte: Agência Câmara Notícias

+ Veja mais