//

Notícias > Lista de Notícias



Com o ajuste fiscal, o sacrifício foi imputado aos mais frágeis, critica Pestana

07/05/2015

 

Deputados da oposição protestaram durante votação da MP do ajuste fiscal (Foto: Alexssandro Loyola/PSDB na Câmara)


No plenário da Câmara, na tarde desta quinta-feira (07/05), ao criticar a aprovação do ajuste fiscal (MP 665/14), o deputado federal Marcus Pestana acusou o Governo Dilma de sacrificar injustamente os trabalhadores, uma vez que é o próprio Governo o responsável por inúmeros equívocos nas políticas fiscais. A proposta de ajuste fiscal, cujo texto-base foi  aprovado no dia anterior, muda e dificulta o acesso ao seguro-desemprego. 
 
“É interessante observar, só se ajusta quem se desajustou. A presidente Dilma está recebendo a sua própria herança maldita. Fazem um estrago no país e agora pedem sacrifícios ao contribuinte e ao trabalhador.” 
 
Entre as causas do desajuste, o deputado tucano citou a desorganização de importantes setores da economia, como o de petróleo e o de energia. Ele também criticou a política de subsídios do BNDES e as manobras fiscais da contabilidade do Governo. 
 
“Esse ajuste é um equívoco. Esse não é o ajuste que o PSDB lideraria,” reforçou Pestana ao elencar algumas medidas que poderiam ter sido tomadas para evitar o sacrifício dos direitos trabalhistas.   
 
“O ajuste que nós, do PSDB, faríamos começaria por dar o exemplo: reduzindo ministérios, fechando embaixadas desnecessárias, que foram fruto de um populismo diplomático, cortando cargos em comissão, cortando despesas de custeio, gastando mais com o cidadão e menos com a máquina pública, inchada e corroída pelo clientelismo e pela corrupção. O nosso ajuste seria pelo lado da receita, com desenvolvimento, um choque de credibilidade dando visão de futuro aos investidores, estabilizando as expectativas, valorizando as agências regulatórias. E isso o governo não fez.” 
 
>> Saiba mais: Câmara aprova texto-base da MP que dificulta acesso ao seguro-desemprego.
 
>> Assista ao pronunciamento na íntegra:
 

 

Imagens: TV Câmara

 

+ Veja mais