//

Artigos



Os ventos que sopram da França

Jornal O Tempo

26/06/2017

 

A política está sendo virada do avesso no mundo contemporâneo. As bases do sistema representativo clássico estão sendo erodidas. Os paradigmas ideológicos do passado vivem crise terminal. O mundo das ideias precisa ser reinventado.
 
A sociedade do século XXI é diametralmente diferente do universo que envolvia a democracia em tempos passados. A estrutura social era mais nítida em sua clivagem. Os conceitos de esquerda e direita eram mais nítidos. Hoje, a sociedade é diversa, fragmentada, plural. Sindicatos se esvaziam. Partidos políticos perdem a capacidade de vocalizar o interesse dos cidadãos. Múltiplos movimentos autônomos e independentes se organizam. Ambientalistas, gays, católicos, evangélicos, mulheres, coletivos culturais, moradores de bairros se organizam à margem dos partidos e das instâncias formais. Sem falar na participação direta e isolada das pessoas nas redes sociais.
 
Os sintomas do esgotamento do sistema e dos partidos tradicionais se manifestaram em múltiplos momentos e países. Mas talvez o exemplo mais claro e representativo desse novo momento da democracia mundo afora seja a recente eleição francesa.
 
A França é um dos berços da democracia nascida da Revolução Francesa. É país de cultura arraigada, de tradições profundas, de forte corporativismo, de cidadania ativa, de Estado forte e de uma rede de proteção social ampla e cada vez mais cara. A economia francesa vem crescente e paulatinamente perdendo competitividade e relevância.
O recém-eleito presidente Emmanuel Macron foi funcionário público, banqueiro, secretário geral adjunto do presidente François Hollande e ministro da Economia do primeiro-ministro Manuel Valls. Ao ver o esgotamento do socialismo francês, fundou o partido En Marche! em 2016 para abrigar sua candidatura presidencial. De olhos postos no futuro, desenhou um programa ousado e inovador. Enfrentou o populismo de extrema direita e de extrema esquerda e também os decadentes e tradicionais socialistas e republicanos. Estabeleceu uma relação direta e afirmativa de comunicação com os eleitores. Ganhou as eleições de maio de 2017 sem apoio de nenhuma estrutura parlamentar ou partidária consolidada, com 66% dos votos.
 
E agora em junho obteve uma inacreditável vitória nas eleições parlamentares. Apesar de uma abstenção altíssima, o novíssimo “Em Marcha!” elegeu 361 dos 567 deputados. As forças tradicionais, republicanos e socialistas, despencaram para 126 e 46 cadeiras, respectivamente. E mais, a renovação fica patente em outros números: 424 eleitos nunca foram deputados e 233 mulheres venceram as eleições. A média de idade caiu de 54 para 48 anos.
 
Aqui, no Brasil, os traços universais de esgotamento da tradicional democracia representativa se agravam com a crise econômica e as revelações da Lava Jato. Que os grandes partidos brasileiros ponham as barbas de molho. Quem não mudar, inovar e ousar perderá o bonde da história. Quem será o nosso Macron?
 
Publicado no jornal O Tempo em 26 de junho de 2017

+ Veja mais