//

Artigos



Os setes desafios do ano

Jornal O Tempo

30/01/2017

 

Diante da crise sem precedentes em que mergulhamos, parece que abrimos as cortinas e nos deparamos com um espelho mágico que nos revela, de forma nua e crua, a alma, a história e as vísceras de nossa autoimagem como povo e nação. Problemas crônicos, mazelas abertas há décadas, respostas adiadas e questões não enfrentadas vêm à tona, cobrando uma tomada de posição definitiva e corajosa.
 
A crise penitenciária demonstra a falência de nosso modelo penal e das políticas de segurança e a existência de um verdadeiro mundo paralelo, orquestrado por facções criminosas, organizadas em escala nacional, que impõem “leis”, “estatutos” e “práticas” à margem do Estado e da ordem constitucional.
 
Ao comemorar os dez anos da Lei do Saneamento Básico, descobrimos que, em pleno século XXI, metade da população ainda não tem seu esgoto coletado. A cada avaliação do ensino constatamos o descuido com a revolução educacional necessária e que nossas crianças e jovens não adquirem adequadamente o domínio da língua, o raciocínio matemático ou o método para análise da realidade. O SUS vê definhar políticas públicas duramente conquistadas na perda de qualidade e na desativação de serviços e no aguçamento da judicialização da saúde como árbitro da escassez.
 
Chegou a hora da verdade. O país encontra-se margeando o abismo, colocando sob ameaça o horizonte das novas gerações.
 
Michel Temer tem apenas dois anos de governo. O Brasil tem pressa, precisa e vai mudar. Só depende de nossas escolhas coletivas por meio de nossa representação política e do posicionamento da sociedade.
 
Em 2017 temos uma agenda complexa, polêmica, ousada e difícil. Podemos adotar a tática do avestruz, enfiar a cabeça na terra, desconhecer a crise e caminhar para o imponderável. Ou fazer as reformas e os ajustes para dar um salto rumo ao futuro.
 
Ao Congresso Nacional cabe discutir e votar quatro grandes reformas: a busca de um sistema previdenciário justo, sólido e sustentável; a simplificação tributária radical, sem grandes pretensões redistributivas neste momento; a modernização das relações de trabalho diante de uma economia dinâmica e flexível; e a mudança do sistema político eleitoral que aproxime a sociedade das decisões, democratize e dê transparência ao financiamento e ponha fim à balbúrdia partidária.
 
Ao governo Temer cabe abordar firme e corajosamente três grandes prioridades, sem evidentemente descuidar de fazer mais e melhor com cada real em áreas como saúde, saneamento e moradia: melhorar o ambiente institucional para a volta dos investimentos e das parcerias com o setor privado, enfrentando o desemprego, a recessão e o desequilíbrio fiscal; avançar na estratégica reforma educacional; e colocar em prática o Plano Nacional de Segurança Pública.
 
O lema de 2017 deve ser uma homenagem ao Senhor Diretas, Ulysses Guimarães: esperança e mudança.
 
Publicado no jornal O Tempo em 30 de janeiro de 2017

+ Veja mais