//

Artigos



O presente de Natal que o Brasil merecia em 2016

Jornal O Tempo

19/12/2016

 

 
Tudo que o brasileiro merecia neste Natal era um horizonte de paz e prosperidade. Mas o turbulento ano de 2016 não deixa essa herança. Vivemos tempos nebulosos. É a maior crise da história recente do país. Desemprego e recessão aguda. Crise fiscal profunda. Investimentos, consumo e produção em queda. As vísceras da corrupção sistêmica sendo expostas pela Lava Jato. Desarmonia entre os Poderes da República. Insatisfação social explosiva. Crescimento vertiginoso da intolerância e do sectarismo. Crises políticas sucessivas. Instabilidade visível e profunda.
 
Qual seria a ponte para o futuro? O governo Temer é um funil estreito por onde teremos de passar para assegurar a travessia até as eleições de 2018, quando a sociedade brasileira soberanamente escolherá os novos rumos. Um governo pode se sustentar em quatro pilares: na força das armas, no carisma de um líder populista que fala e catalisa energias na relação direta com as massas sem mediação institucional ou na legitimidade das urnas. O governo Temer não se encaixa em nenhuma das três hipóteses anteriores. Só lhe resta o quarto eixo: a legitimação pelos resultados e pelo desempenho.
 
Esse é o desafio. Não permitir que a instabilidade e as fragilidades políticas e os efeitos da Lava Jato paralisem a discussão da agenda de interesse nacional. Afinal, o que verdadeiramente interessa à maioria das pessoas é sair do atoleiro em que nos meteram e voltar a crescer, gerando renda, emprego e bem-estar para a população. O sistema político, acuado e desprestigiado, precisa sair da paralisia e atacar os gargalos, promovendo os ajustes e as reformas necessárias.
 
Os presentes que temos que ofertar à sociedade brasileira passam por um amplo ajuste fiscal, pela inevitável reforma (da Previdência) de um sistema injusto e insustentável, pela modernização das relações de trabalho, aumentando o emprego e a produtividade. Mais: acelerar as parcerias com o setor privado, melhorar o ambiente institucional para a retomada dos investimentos, baixar a taxa estratosférica de juros, azeitar a ampliação do crédito e simplificar o anacrônico sistema tributário brasileiro.
 
Na política, temos que fortalecer o presidente Michel Temer para pilotar a difícil travessia, melhorar a convivência entre Executivo, Legislativo, Judiciário e Ministério Público, regulamentar a coibição de abusos de poder e, principalmente, promover uma ampla reforma política que aproxime a sociedade de seus representantes, reduza a influência do poder econômico e fortaleça um sistema partidário representativo.
 
Na área social, a geração de empregos é a prioridade. Também avançar na qualificação das políticas públicas de educação, saúde e segurança. E ampliar os canais de comunicação e relacionamento com a sociedade para recuperar a confiança e a esperança perdidas no ralo da mais profunda crise de que temos notícia nas últimas décadas.
 
Apesar dos tempos de crise, feliz Natal a cada um dos leitores!
 
Publicado no jornal O Tempo em 19 de dezembro de 2016

+ Veja mais